Você já viu se o DNS do seu roteador está certo hoje?

Se não, é bom dar uma olhada, diz nosso Analista Wanderson Albuquerque. Em agosto, foi descoberta uma falha de segurança em roteadores da D-Link que resultou no desvio de tráfego de clientes do Banco do Brasil.

Acontece que o problema é ainda mais grave: segundo a Netlab, mais de 100 mil equipamentos estão infectados para roubar informações de mais de 50 sites, incluindo os maiores bancos do país.

A empresa de segurança descobriu que 91.605 IPs brasileiros foram afetados pelo GhostDNS, um malware que modifica remotamente as configurações do roteador para que ele use um servidor DNS malicioso.

Assim, ao tentar visitar itau.com.br, banco.bradesco ou bb.com.br, por exemplo, o usuário é direcionado a um site falso que o induz a digitar suas informações de acesso ao internet banking — e esses dados vão parar diretamente nas mãos do criminoso.

 

Quais aparelhos estão sendo infectados

Mais de 70 modelos de roteadores foram infectados, segundo a Netlab.

A lista inclui equipamentos da D-Link (DSL-2640T, DSL-2740R, DSL-500, DSL-500G, DSL-502G e outros), TP-Link (TD-W8901G, TD-W8961ND, TD-8816, TD-W8960N, TL-WR740N e outros), Intelbras, Multilaser, Mikrotik, Tenda, 3COM, Huawei, SpeedTouch e SpeedStream.

Não há uma lista completa dos domínios cujo tráfego é desviado pelo DNS malicioso, mas pelo menos 52 foram identificados, incluindo os cinco maiores bancos do país, bem como provedores de hospedagem e até serviços de streaming, como a Netflix.

 

Estes são alguns dos sites afetados:

  • Bradesco (incluindo Bradesco Net Empresa e Click Conta);
  • Banco do Brasil;
  • Caixa;
  • Citibank;
  • Credicard;
  • Hostgator;
  • Itaú (incluindo Itaú Personnalité);
  • Kinghost;
  • Locaweb;
  • Netflix;
  • Santander (incluindo Superdigital);
  • Sicredi;
  • UOL Host;
  • WordPress.

Como protejer seus roteadores

O primeiro passo é manter o firmware do roteador sempre atualizado: entre no site da fabricante do produto, procure pelo código de modelo, baixe o arquivo e siga as instruções. Infelizmente, muitas empresas nunca disponibilizam correções de segurança para seus roteadores, deixando os usuários desprotegidos.

Além disso, é bom ver se não há nada errado nas configurações de DNS do seu roteador ou na sua navegação — os servidores maliciosos estão sendo denunciados e gradualmente derrubados, portanto, quem estiver infectado não conseguirá acessar a internet. Recomendamos usar o 8.8.8.8 do Google, ou o 1.1.1.1 da Cloudflare.

 

 

soluções relacionadas

Sem comentários

Comentários estão fechados.